Alexandre Aschenbach

Redes Sociais na Empresa


img_020_001.png

As Redes Sociais estão aí para ficar. Algumas mais tempo, outras menos, mas todas tem o seu público, e este é cativo o suficiente para que não se "desligue" nunca.

Por quanto tempo uma rede social é moda e quando cairá no esquecimento, isso não é possível saber. O Orkut não morreu, mas já não é o mais "on", como no passado. My Space veio com uma promessa muito interessante, mas foi engolido pelo Facebook. O Google + tem tomado grande força, até porque os milhares de usuários do Google em aplicativos como GMail, Picasa, Youtube, entre outros, sentem-se compelidos a associar-se. E não pára por aí, LinkedIn, Twitter, Plaxo e outros vão mostrando que sempre haverá espaço para falar, porque o ser humano quer falar, precisa falar e, diferente do mundo presencial, nas redes sociais você pode falar sem ser interrompido e não precisa, se não quiser, ouvir.

Mas participar dessas redes de forma ativa toma algum tempo, para não dizer todo tempo. Quanto mais você se torna popular, tanto mais pessoas lhe seguem e também mais pessoas você passa a "conhecer", portanto acaba seguindo também e aí a conta não tem mais fim. Ler tudo é impossível e não ler algumas vezes pode prejudicá-lo. Muitas vezes penso que se você não faz parte de uma rede social você pode ser prejudicado mas fazer parte e não se envolver pode lhe causar mais problemas ainda.

Mas o foco agora não é a discussão sobre as redes sociais em si, mas o uso destas na empresa. E não falo do uso das redes sociais "pela" empresa, mas "na" empresa, que fique claro.

O grupo de gestores atuais vem ainda de uma formação em que o funcionário tem que estar trabalhando. E ponto. Nos dias de hoje, estar trabalhando muitas vezes significa apenas estar com as mãos no teclado e os olhos no monitor. O que é diferente do passado? Apenas que quando parecem estar trabalhando podem estar interagindo em redes sociais.

A solução parece óbvia para os gestores despreparados ou que não sabem como lidar com isso: cortem o acesso às redes sociais. Simples assim. Esquecem entretanto que as redes sociais enviam emails, e a simples leitura de um email pode ser o "escapar" do trabalho. Além disso, pretendem tais gestores também impedir os funcionários de utilizar seus celulares? Claro, porque por um pequeno preço qualquer celular pode acessar a internet e... pronto!

Tal forma de gestão ignora o ser humano. Cortar as redes sociais é como cortar o café ou a água do escritório. Manter as redes sociais ativas na empresa traz, entretanto, mais dores de cabeça para o gestor. E se o gestor não quer gerir, quer apenas comandar, então as redes sociais serão sempre um problema.

Gerir é mais do que comandar. Gerir é envolver e deixar-se envolver; gerir é entender; gerir é estabelecer metas; gerir é acompanhar a execução; gerir é orientar, participar e promover o resultado.

Um gestor que possui talento suficiente para administrar mais do que os braços de seus funcionários, ou seja, que é capaz de entender e tornar produtivos e focados os cérebros e as emoções de seus colaboradores, não irá simplesmente tentar bloquear o uso das redes sociais.

Claro que há exceções e excessos que devem ser combatidos, mas a forma de combater não é apenas bloqueando o acesso.

Há alguns passos que podem ser executados pelos gestores antes de proibir.

Conheça o Trabalho

Se o gestor conhece realmente o trabalho de seus colaboradores então ele pode participar de forma efetiva e não será enganado com prazos ou desculpas que não fazem sentido.

Conheça o seu Time

Ao conhecer quem trabalha com você (ou para você), saberá o que esperar de cada um e também o que pode ou não ser exigido de cada um. O conhecer demanda ser conhecido também, deixar-se conhecer. Demonstre interesse e permita que se interessem por você. A rede social mais importante passará a ser a do seu time.

Confie no seu Time

img_020_002.png

Um time de confiança se faz com o tempo, sim, mas se você já passou pela fase de conhecer o seu time, então ficará mais fácil confiar nele. E lembre-se que você precisa ser confiável também. Toda relação é troca, sempre estamos oferecendo algo "em troca". Não interessa quem inicia essa troca, mas se em algum momento deixamos de oferecer algo, a comunicação cessa e a confiança, também.

Oriente seu Time para os Resultados

Todo trabalho tem resultados, ou deveria ter. Se você não sabe quais são os resultados esperados do trabalho do seu time ou você está em time errado ou até no jogo errado.

O seu time precisa saber quais são os resultados esperados, de forma clara e objetiva, e em quanto tempo esse resultado deve ser atingido.

Resultado atingido deve ser motivo de comemoração, sempre. Não interessa como, mas comemore. Mostre a relevância do resultado obtido, mostre quanto ele foi além do que se esperava e premie a excelência.

Resultado não atingido deve ser motivo de reavaliação e muita análise, tanto por parte do gestor quanto do colaborador. Não deve ser motivo de consternação nem de punições. Uma porque não adianta nada ficar abatido, com cara de cachorro perdido com fome, outra porque apenas punições não resolvem o caso.

O importante é demonstrar o quanto a não realização dos objetivos torna o profissional menos importante para o gestor e para a empresa, mostrar as consequências que podem ser geradas do não atingimento dos resultados.

Seja claro ao mostrar as consequências pois, agindo assim, no curto prazo você deve obter respostas claras no trabalho de seus colaboradores mas, a longo prazo, a única saída será a demissão. Isso porque a confiança será quebrada.

Esteja sempre pronto a ouvir

As necessidades e os problemas vão acontecer sempre e seus colaboradores precisam estar tranquilos para conversar e procurar soluções em conjunto. Se você não os ouve, então não deve esperar bons resultados.

Participe das Redes Sociais

Ainda que você não goste, ainda que não entenda, participe e apenas "siga" e "seja seguido" pelos seus colaboradores. Isso, ao invés de ser um problema, será mais uma forma de comunicação com eles. Você não ficará "de fora" da conversa mas sim será parte integrante dela.

Lembra da frase "se você não pode com ele, junte-se a ele"? Exatamente, o encaixe é perfeito.

Para bom entendedor, meia palavra basta e, neste caso, foram muitas.

Em resumo, quem sabe realmente gerir equipes ou melhor, gerir pessoas, trabalhar orientado a resultados e tem boa interação social não tem problemas com Redes Sociais no trabalho. Já quem não sabe...

E, antes que perguntem, sim, há outros aspectos a serem discutidos e questionados. Há a questão da segurança, por exemplo. Quem sabe em outra oportunidade possa discutir também sobre isso.